Torne-se um membro e registe o seu voto! Como ser membro?
keyboard_arrow_down
translate
Área Reservada
close

Área Reservada

Recupere o acesso à sua conta.
email
menu
Fonte: Noticiasaominuto

Nem toda a gente pode ficar em casa, em segurança, e há até quem tenha testado positivo para Covid-19, mas não seja hospitalizado. Conheça algumas das principais indicações das autoridades competentes para lidar com o surto.

Foi na sexta-feira, dia 13, declarado estado de alerta em Portugal por causa da pandemia do vírus SARS-Cov-2, uma medida tomada para fazer frente à inevitável propagação do surto viral. Numa altura em que o número de pessoas infetadas no país vai sendo atualizado às dezenas, é de avisada urgência que o cidadão comum tome as rédeas da sua própria proteção e daqueles que o rodeiam, conforme tem sido repetido pelas autoridades de Saúde nacionais e internacionais.


Nesse sentido, deixamos uma relação das principais medidas de proteção pessoal, desde as básicas (higiene e etiqueta respiratória) aos casos de isolamento e quarentena em casa.

Todas as informações foram retiradas da página da Direção-geral da Saúde (DGS) ou traduzidas das páginas do Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças Transmissíveis (ECDC), do Centro Europeu de Controlo de Doenças (CDC) e da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Para quem não pode ficar em casa:

  • Medidas de etiqueta respiratória: Tapar o nariz e a boca quando espirrar ou tossir, com um lenço de papel ou com o antebraço, nunca com as mãos, e deitar sempre o lenço de papel no lixo.
  • Higiene. Lavar as mãos frequentemente. Deve lavá-las sempre que se assoar, espirrar, tossir ou após contacto direto com pessoas doentes. Deve lavá-las durante 20 segundos (o tempo que demora a cantar os 'Parabéns') com água e sabão ou com solução à base de álcool a 70%.
  • Evite contacto próximo: Não dê apertos de mão ou beijos na cara. Acena com a cabeça e sorria, sempre fez bem;
  • Evitar tocar na cara com as mãos. Os vírus respiratórios podem ser passados ao tocar nos olhos, no nariz e na boca. Usa luvas de borracha? Não chega, se usar luvas e tocar na cara, a contaminação passa da luva para a face e pode infetar.
  • Evitar partilhar objetos pessoais ou comida;
  • Limpe todas as superfícies onde trabalha, se partilhar estação de trabalho.
  • Use luvas de forma a evitar contacto directo com os objectos partilhados por todos

Quero preparar-me para ficar em casa algum tempo:

Nesta altura, em Portugal, algumas empresas optaram por colocar os funcionários em regime de teletrabalho. Esta medida é tomada como forma de precaução e, embora não seja mandatada pelas autoridades, este isolamento voluntário deve observar a maior parte das recomendações para um caso de quarentena. O mesmo deve ser seguido pelas pessoas em isolamento profilático obrigatório (trabalhador impedido temporariamente de exercer a atividade profissional, por determinação da autoridade de Saúde).
  • Consulte apenas a informação difundida por fontes fidedignas. Não confie em informação que não é validada por entidades oficiais (Relatório de Situação da DGS publicado todos os dias;
  • Garanta que tem em casa os medicamentos que precisa, não porque possam esgotar, mas para tratar sintomas leves (como febre ou dores de cabeça). Se já toma medicamentos por prescrição médica, garanta que tem o suficiente em casa;
  • É necessário ter em casa comida para entre duas a quatro semanas, mas a preparação deve ser feita de forma gradual e deve evitar-se a corrida aos supermercados e a compra por atacado - lembre-se que não há risco de ruturas de stock e os supermercados continuarão abertos
  • Evite contactos sociais. Fale com os seus amigos, família e vizinhos, preparando as próximas semanas sem contactos pessoais e preparando de antemão a possibilidade de aparecer um caso de infeção dentro do círculo privado (impedindo visitas regulares);
  • Pratique o distanciamento social. Evite multidões, especialmente espaços fechados, confinados e pouco ventilados; faça as suas compras fora das horas de pico; evite usar os transportes públicos nas horas de pico; pratique exercício fora de portas e sozinho;
  • Siga as instruções das autoridades de Saúde ou da Proteção Civil, dado que foi acionado nível de alerta;
  • Pratique sempre as regras de etiqueta respiratória e de higiene pessoal.

Não tenho sintomas, mas estou em casa de quarentena:

De acordo com a ECDC, a quarentena é a separação e restrição de movimentos de pessoas que possam ter sido expostas à Covid-19, mas que não exibem, no momento, sintomas. No geral, a quarentena é mandatória e feita em casa por um período mínimo de 14 dias, mas também pode ser feita no hospital em casos específicos. Neste momento, existem mais de 4.500 pessoas em vigilância ativa pelas autoridades, ou seja, estão em casa a monitorizar sintomas. Se foi recomendado pelas autoridades que fique em casa, eis o que deve fazer:
Fique em casa, não deve ir para o trabalho, escola ou para lugares públicos. Além disso:
  • Fique atento aos sintomas da Covid-19 (febre, tosse ou dificuldade em respirar). Se aparecer algum, ligue para a linha SNS24;
  • Se ficar doente, com algum sintoma, use a máscara de proteção para proteger aqueles que o rodeiam;
  • Limpe e desinfete a sua casa, principalmente, as superfícies em que toda a gente toca com mais frequência (cozinha e casa de banho);

Peça ajuda: Fale com os seus familiares, amigos ou comunidade e peça ajuda para as necessidades básicas (compra de alimentos ou medicamentos).

Comunique: Fale com a sua família e amigos através do telefone ou das redes sociais, a comunicação com outras pessoas deve manter-se, principalmente se estiver sozinho.

Não se alarme: Conforme explicado acima, consulte informações sobre a progressão da doença junto de fontes oficiais. O consumo de informação não confirmada gerará, apenas, ansiedade.

Exercite-se: Mantenha-se ativo fisicamente para garantir uma boa condição física e mental.

Tenho sintomas ligeiros, estou em isolamento domiciliário:

De acordo com a ECDCas autoridades de Saúde podem pedir a pessoas com sintomas ligeiros que testaram positivo para ficar em casa e, assim, limitar a propagação do vírus - neste momento, em Portugal, há cerca de uma centena de pessoas com diagnóstico positivo que estão em tratamento em casa, um número que deverá aumentar, por forma a não sobrecarregar as unidades de saúde. O isolamento domiciliário, que deve ser feito numa única divisão da casa e, de preferência, com uma casa de banho designada, pode ser recomendado enquanto forem manifestados sintomas ou durante o período de incubação da Covid-19 (até 14 dias). Durante este período:
  • Não receba visitas;
  • Se possível, devem permanecer na residência apenas as pessoas que estão a cuidar da pessoas doente;
  • Quando a morar com mais pessoas, deve afastar-se delas o quanto for possível. Quando na mesma sala, use a máscara de proteção para as proteger;
  • Permaneça no quarto, que deve ser bem ventilado (deve ter uma janela), e a dormir sozinho;
  • Se não for possível ter a sua própria casa de banho, limpe e desinfete todas as superfícies em que tocar depois de cada uso;
  • Use toalhas, talheres, copos, lençóis separados, assim como outros utensílios domésticos que possam ser partilhados. Limpe-os depois de os usar. Os lençóis e a roupa que usar devem ser lavados a uma temperatura entre os 60 e os 90 graus (se for outra pessoa a manejar a roupa, deve usar luvas);
  • Limpe as superfícies em que toda a gente toca, como as mesas, bancadas da cozinha, mesas de cabeceira, maçanetas das portas, teclado de computador, telemóveis, telefones, tablets, etc.
  • Peça ajuda. É essencial que mantenha o contacto com amigos, família e vizinhos, pedindo ajuda para as necessidades básicas (compra de alimentos ou medicamentos);
  • Evite o contacto direto na interação com pessoas que lhe venham entregar coisas. Por exemplo, peça às pessoas que o ajudem/estafetas que deixem as compras/alimentos à porta;
  • Lave as mãos imediatamente antes e depois de interagir com outras pessoas;
  • Siga os conselhos que a autoridade de Saúde lhe fornecer e ligue se notar que está a piorar.

Contactos a ter em conta:

SNS24 de Portugal Continental: 808 24 24 24

SNS24 da Madeira: 800 24 24 20

SNS24 dos Açores: 808 24 60 24

Só quer tirar dúvidas? Não assoberbe as linhas telefónicas: atendimento@sns24.gov.pt (garantem resposta célere).

"Este artigo foi elaborado usando as fontes indicadas e devidamente assinaladas"

Deixe o seu comentário a esta publicação:

close
Em caso de litígio o consumidor pode recorrer a uma Entidade de Resolução Alternativa de Litígios de consumo:

CICAP – Tribunal Arbitral de Consumo
Rua Damião de Góis, 31, Loja 6, 4050-225, Porto
+351 22 550 83 49 / +351 22 502 97 91
cicap@cicap.pt

Mais informações em Portal do Consumidor www.consumidor.pt